Coral infantojuvenil da Aperam usam tecnologia para manter aulas

 Coral infantojuvenil da Aperam usam tecnologia para manter aulas

Com a pandemia da Covid-19 muitas atividades da vida cotidiana tiveram seus formatos alterados. Uma boa aliada neste momento foi a internet, que possibilitou novas formas de interação, amenizando o distanciamento social. Com essa ferramenta em mãos foi que o Coral Infantojuvenil Aperam se reinventou e não deixou as atividades pararem. O grupo de 45 alunos, entre crianças e adolescentes, mantém semanalmente suas atividades por meio de videoconferência. 

“A Fundação precisou se reinventar durante este período de isolamento social provocado pela pandemia do coronavírus. Com isso, começamos a repensar nossa forma de trabalho, focando em manter a qualidade do que ofertamos para a  comunidade. Um dos desafios foi manter as atividades do coral, visto que as adaptações deveriam contar não só com os alunos, mas também com o engajamento dos pais”, conta Venilson Vitorino, presidente da Fundação Aperam Acesita. 

Os ensaios são mantidos semanalmente, e a dinâmica das aulas é realizada por meio de videoconferência mantendo os alunos conectados por meio de ferramentas digitais que possibilitam o encontro em grupo. 

“A ideia é conseguir manter o grupo ativo. Como as aulas presenciais foram suspensas devido à pandemia da Covid-19, nós vimos a oportunidade de mudar o formato para o on-line de forma com que as crianças mantenham a prática do canto. Os encontros foram adaptados mas sem deixar de contribuir com o processo de aprendizado, pois a técnica do canto coral deve ser mantida para que os alunos não percam a afinação e a estrutura de voz adquirida ao longo das aulas”, pontua a coordenadora de projetos da Fundação Aperam Acesita, Kelly Soares. 

Ainda de acordo com a coordenadora “a Fundação acredita que a música faz muito bem para as crianças e adolescentes e que nesse momento tão delicado e desafiador, as aulas possam ser mais uma aliada nas atividades diárias dos coralistas, além de ser um instrumento colaborador para o estado emocional e físico”.

Novo formato

A regente do coral, Josiane Drumond, explica o novo formato. “Os ensaios  on-line, tem sido por meio da plataforma Google Meet. Essa plataforma foi escolhida, depois de pesquisas com vários regentes de todo o Brasil, além de já ser usada pela Aperam South America. Os grupos – 8 a 11 anos, infantil e 12 a 16 anos, juvenil – ensaiam separadamente 1 hora por semana. Mantenho o mesmo formato dos ensaios presenciais com um momento para alongamento, exercícios de respiração, aquecimento e desaquecimento vocal. O repertório é trabalhado por meio de áudios que gravo e envio nos grupos de WhatsApp, que também é usado para esclarecer dúvidas dos alunos e de seus pais”, destaca.  

Sem perder o ritmo

Aluna do coral desde o início de 2019, Maria Júlia, de 9 anos, segue com suas atividades diárias adaptadas pela mãe Maria da Conceição Letro Barcelar. Desde o dia 21 de março que a família segue rigorosamente o isolamento social e tem feito deste momento oportuno para se cuidar e criar novas oportunidades para otimizar o tempo e a aprendizagem.

De acordo com Maria da Conceição a rotina tem sido leve e prazerosa, uma vez que adequou suas atividades do home office a agenda das filhas, Ana Lívia (1 ano) e Maria Júlia (9  anos). “Pela manhã tomamos banho de sol, logo após a Maria Júlia ingressa em suas atividades escolares, que estão sendo realizadas virtualmente, além de separarmos momentos para lazer como assistir filmes e escutar músicas”, conta.

Ainda de acordo com a mãe, a rotina das atividades do coral ingressava na agenda diária do isolamento social. Maria Júlia mantinha o hábito de realizar os exercícios vocais e ensaiar as músicas em casa.

“Quando a Fundação apresentou a proposta do formato das aulas on-line eu gostei muito. A questão da convivência, de não perder o contato com os colegas e com a professora é muito positiva. Esse formato veio para acrescentar ainda mais o aprendizado e torço para que continue até passar isso tudo”, conta a mãe de Maria Júlia.

Para a pequena Maria Júlia, as aulas vieram para agregar ao seu conhecimento. “Eu estou gostando muito desse formato das aulas do coral. Eu estou aprendendo muito! Eu ensaio aqui em casa com a minha mãe, ela toca teclado e a gente ensaia junto e me ajuda muito. Além da Tia Josiane, que sempre me ensina coisas novas”, finaliza. 

 

Publicações relacionadas

X