Saiba o que seu pet não pode comer na noite de Natal ou de réveillon

 Saiba o que seu pet não pode comer na noite de Natal ou de réveillon

(Reprodução)

Veja alguns alimentos que podem ser nocivos para a saúde do seu animal de estimação durante os festejos de fim de ano

O Brasil tem a segunda maior população de cães, gatos e aves em todo o mundo e é o terceiro maior país em população total de animais de estimação. São 54,2 milhões de cães, 23,9 milhões de gatos, 19,1 milhões de peixes, 39,8 milhões de aves e mais 2,3 milhões de outros animais. O total é de 139,3 milhões de pets, o que demonstra a força potencial do nosso setor na economia brasileira. Os dados são da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação.

Com números tão grandiosos, é natural que a maior parte dos pets passe junto dos donos os festejos de fim de ano. Porém, nessas horas, o que oferecer para eles? O mesmo que estamos comendo?

De acordo com o professor e responsável pelo hospital escola do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Pitágoras, Jean Henrique Nunes de Paula, o tutor do animal de estimação deve preparar uma refeição especial e separada.  “Temos que tomar alguns cuidados quanto ao fornecimento de alimentos aos nossos animais. Devemos evitar fornecer alguns tipos de alimentos, como carnes assada, pães e uvas passa. Podemos trocar esses alimentos por produtos e petiscos próprios para os animais, tanto naturais como industrializados”, reforça o médico veterinário.

Entre os componentes citados por ele, a uva passa, tão amada e odiada ao mesmo tempo, tem potencial tóxico e podem causar sérios problemas aos cães. Os panetones e suas variações de chocolate também oferecem alto risco à saúde dos animais por vários motivos. Além das uvas passas e frutas cristalizadas, há muito açúcar.  “Esses alimentos possuem um alto teor de gordura e podem provocar quadros de diarreias e vômitos, principalmente em cães, por alterar de forma abrupta a microbiota intestinal. Além disso, o chocolate pode ser tóxico para os cães”, alerta o médico veterinário.

Por falar em gordura, nesta época do ano é comum termos assados com ossos. Apesar de parecer apetitoso, nunca dê as sobras aos cães. Saiba que, depois de cozidos, todos os ossos tornam-se mais frágeis e ficam mais propensos a quebrar. “O fornecimento de ossos deve ser evitado, pois eles podem causar obstruções do esôfago e lesões no estômago e intestino. Já os restos de alimentos podem induzir a quadros de gastroenterite alimentar e desidratação nos animais”, orienta Jean Henrique.

Mas os pets não precisam passar a ceia em branco. Uma alternativa é oferecer petiscos naturais de maçã, banana, melão, melancia, chips de batata doce ou montar uma ceia canina específica para seu pet, com o auxílio do Médico Veterinário Nutricionista.

 

OUTRAS DICAS 

 

  • Não deixe seu animal de estimação frequentar a cozinha movimentada;
  • Nunca exagere na quantidade de comida oferecida;
  • Descarte sobras de comidas, especialmente os ossos, com muito cuidado, e certifique- se de que estão inacessíveis aos animais;
  • Em casos de perda de apetite, vômitos persistentes, diarreia e alteração comportamental procure o Médico Veterinário.

Publicações relacionadas

X