Brasil supera 100 milhões de vacinas contra covid aplicadas

 Brasil supera 100 milhões de vacinas contra covid aplicadas

Brasil tem mantido patamar de mais de 1 milhão de doses aplicadas por dia (AGUILAR ABECASSIS/AGIF – AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA/ESTADÃO CONTEÚDO)

Até esta quinta-feira (1º), país tinha 46,47% da população acima de 18 anos com a 1ª dose e outros 12,72% com esquema completo

O Brasil ultrapassou na noite de quarta-feira (30) a marca de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19 aplicadas desde o início da campanha de imunização, em 17 de janeiro.

Segundo os dados mais recentes do Ministério da Saúde, 74.354.809 pessoas já receberam a primeira dose da vacina, o que representa 46,47% da população apta a ser imunizada contra a covid-19 (maiores de 18 anos) — o governo ainda não incluiu crianças ou adolescentes na campanha.

Na última semana, o país manteve uma média de 1,4 milhão de doses aplicadas por dia.

Para a vice-presidente da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Isabella Ballalai, o número deixa claro que o “brasileiro gosta de se vacinar e acredita em vacina, apesar de toda desinformação, todas as dúvidas que a gente vive hoje”.

“Quando a gente tem percepção de risco, o brasileiro procura a vacina. Ele só não procura a vacina quando acha que não vai pegar [a doença]. Tem até uma frase que a gente brinca que brasileiro gosta de vacina que está faltando. Quando tivemos o surto de gripe em 2016, que até nas clínicas privadas tinham pessoas cinco horas na fila, é porque não parava de sair o número de casos, mortes, etc. […] Em 2017 e 2018, febre amarela, correu todo mundo, saía tapa na fila. Em todas essas situações, faltou vacina.”

A vacinação ganhou fôlego no Brasil em junho, com entregas de mais de 10 milhões de doses da Pfizer/BioNTech, que estão sendo aplicadas com intervalo de três meses, o que garante um maior número de indivíduos vacinados com a primeira dose neste momento.

Também chegaram ao país 4,8 milhões de doses da vacina da dose única da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson. Deste total, 3 milhões foram doados pelo governo dos Estados Unidos e 1,8 milhão antecipado de um contrato de 38 milhões de doses do Ministério da Saúde.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que produz a vacina da AstraZeneca, também tem mantido as entregas, com 12,4 milhões de doses entregues neste mês.

O Instituto Butantan prevê fechar junho com 5 milhões de doses da CoronaVac entregues ao PNI (Programa Nacional de Imunizações). Além destas vacinas, o Brasil também tem recebido vacinas da AstraZeneca e da Pfizer por meio do consórcio Covax Facility.

Embora os números sejam elevados, Isabella Ballalai ressalta que o programa tem como objetivo vacinar cerca de 160 milhões de brasileiros e que três das quatro vacinas em uso são de duas doses.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, mantém a promessa de vacinar com a primeira dose todos os brasileiros aptos até o fim de setembro. A vice-presidente da SBIm é mais cautelosa em relação a previsões.

“Tudo o que a gente planejou de entrega de vacina furou. Agora não podemos achar que no futuro vai ser diferente. É natural, é esperado [que haja atrasos]. […] A gente tem um monte de doses prometidas, mas o cronograma é lento.”

Fonte: R7

Publicações relacionadas

X