Projeto de Ferrovia que vai ligar Vale do Aço ao porto de São Mateus-ES avança

 Projeto de Ferrovia que vai ligar Vale do Aço ao porto de São Mateus-ES avança

Reunião com PetroCity – O prefeito Bruno Morato e o vice, Oliveirinha, participaram de reunião que apresentou detalhes da unidade de transbordo

Investimentos da PetroCity vão fomentar geração de emprego e renda

A construção de uma malha ferroviária de 420 quilômetros que vai ligar o Vale do Aço ao porto de São Mateus, no Espírito Santo, foi pauta de mais uma reunião, realizada nessa segunda-feira (22/11), na sede da Fiemg Regional Vale do Aço. Participaram do encontro o prefeito Bruno Morato, o vice Oliveirinha, o presidente regional da Fiemg, Flaviano Gaggiato, o Chefe de Gabinete da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Vale do Aço (ARMVA), Mauro Guimarães, o CEO da PetroCity Portos S/A, José Roberto, e o engenheiro da empresa, Lincoln Pizetta, além de lideranças políticas da região.

O investimento para a construção dessa ferrovia será feito com recursos privados, da ordem R$ 5 bilhões, que serão viabilizados pela PetroCity. Nessa malha ferroviária, uma das unidades de transbordo será implantada em Santana do Paraíso, próximo ao Aeroporto Regional do Vale do Aço. Segundo José Roberto, o projeto ficará pronto daqui no máximo seis meses.

“Já saímos daqui com algumas definições de trabalho. Nossa equipe está em contato com o governo de Santana do Paraíso para que possamos nos adequar ao planejamento municipal, principalmente em relação ao uso e ocupação do solo, que é o PDM (Plano Diretor Municipal). E o prefeito Bruno Morato foi muito assertivo no encaminhamento em relação a isso. A preocupação dele é convergente com os nossos objetivos. Avançamos, de forma muito técnica. E esperamos apresentar, em seis meses, o projeto definitivo de engenharia para a nossa unidade de transbordo e armazenamento de cargas, que será implementada ao lado do Aeroporto Regional”, afirma o CEO da PetroCity.

José Roberto ressalta, ainda, que o traçado da ferrovia já foi aprovado no Ministério da Infraestrutura. “A unidade de transbordo é indicada para Santana do Paraíso. Viemos aqui para mostrar as premissas que foram utilizadas para esta definição. E também teremos uma segunda unidade de transbordo, em Coronel Fabriciano, para fazer o ramal que vai interligar Santana do Paraíso até o local indicado pelo município de Fabriciano. E o objetivo dessa reunião na Fiemg foi definir uma cronologia para que possamos iniciar os trabalhos, já fora do conceitual, caminhando para o projeto básico. E também para a questão dos licenciamentos, principalmente o ambiental”, pontua o representante da PetroCity.

O prefeito Bruno Morato destaca que os investimentos da PetroCity vão favorecer toda a região. “Santana do Paraíso recebeu com muita alegria a informação de que a unidade de transbordo de carga vai ficar em nossa cidade. Mas ressalto que esse é um projeto que traz recursos, oportunidades e renda não só para Santana do Paraíso como também para toda a região do Vale do Rio Doce. Essa ferrovia é muito importante, visto que ela vai ligar o Vale do Aço ao porto de São Mateus-ES, que em breve será um dos mais modernos do Brasil. E nós sabemos que o projeto da PetroCity é avançar com essa ferrovia até Brasília-DF. Então, certamente, vamos melhorar muito a atratividade de negócios em nossa região. Ou seja, atrair empresas para gerar emprego e renda para os municípios aqui do entorno”, enfatiza Bruno Morato, que é presidente da Assembleia Metropolitana do Vale do Aço.

Para garantir que o projeto obtenha êxito, Bruno Morato acrescenta que seu governo está atendo para garantir a realização de demandas complementares à ferrovia. “Ressalto que Santana do Paraíso está fazendo o seu dever de casa. Já discutimos com a Vale uma nova proposta de acesso ao Aeroporto, para evitar o inconveniente de ficar aguardando o trem passar. E também já contratamos uma empresa para fazer o projeto de ligação entre as BRs 458 e 381, porque, fazendo a ligação destas rodovias, teremos, em um raio de cinco quilômetros, duas BRs, um aeroporto, a ferrovia da Vale e, em breve, a ferrovia da PetroCity. Isso vai criar um modal peculiar, o que vai atrair condomínios logísticos e melhorar muito a atratividade de negócios, a empregabilidade e o nível de renda da população de todo o Colar Metropolitano do Vale do Aço”, enfatiza.

Publicações relacionadas

X