‘Disseram que meu filho mereceu morrer’, diz goleiro Elisson após jogo em MG

 ‘Disseram que meu filho mereceu morrer’, diz goleiro Elisson após jogo em MG

Elisson disputa o Módulo 2 pelo Ipatinga (Instagram/Reprodução)

Lucca, de 6 anos, morreu em 2018 em um acidente doméstico

O que era para ser um jogo festivo, com torcida pela segunda vez durante a pandemia no estádio Castor Cifuentes, em Nova Lima, na região Metropolitana de Belo Horizonte, terminou com cenas lamentáveis, se é que esse é um adjetivo que se encaixa nessa situação, na noite dessa quarta-feira (11). O goleiro Elisson, de 34 anos, revelado pelo Cruzeiro e que atualmente defende o Ipatinga, afirmou que foi vítima de ofensas e até ameaças por parte de torcedores do Villa Nova.

Em novembro de 2018, o filho do atleta, Lucca Guilherme Silva Rosa, de apenas 6 anos, morreu enquanto brincava de futebol com amigos na casa de parentes. Uma bola acertou um armário da residência, que caiu sobre o garoto.

Em relato nas redes sociais, Elisson, que já jogou pelo time de Nova Lima entre 2011 e 2012, afirmou que parte da torcida dizia que ele era o culpado pela morte do filho e que iriam matá-lo para os dois se reencontrarem. “Há anos venho tentando me reconstruir, com a força de Deus, tratando não só a mente, mas o coração. Há anos peço a Deus força e discernimento, na luta pela sobrevivência, após perder o grande amor da minha vida, meu filho Lucca. A vida tem sido dura”, disse.

“Todavia, infelizmente, ao escutar ontem de diversos torcedores do Villa Nova Atlético Clube de Nova Lima, equipe esta que sempre torci e lutei pela camisa, quando lá estava, pela qual o meu filho, que no céu descansa ao lado de Deus e da minha mãe, sua avó, gritava ‘vai Villa’: Que eu sou culpado pela morte do meu filho; que meu filho mereceu morrer porque eu sou mercenário e processei o Cruzeiro para obter meus salários atrasados; que iriam me matar para eu encontrar o meu filho; tornou-se um dos fatos mais tristes da minha vida”, escreveu.

Elisson se questionou sobre o ocorrido. “Fui agredido, ferido e novamente dilacerado com esses dizeres cruéis, que ferem a mim, ao meu filho e a todos os meus familiares. E me pergunto: em qual momento a humanidade se perdeu? Qual o motivo de tanta maldade?”, pergunta.

 

“Salvou vidas”

O goleiro, natural de Belo Horizonte, fez questão de mencionar que Lucca salvou vidas através da doação de órgãos. “Lucca é um anjo, que doou todos os seus órgãos passíveis de transplante e salvou diversas vidas. Eu sei que ele veio com a missão de salvar vidas. Enquanto esteve, de forma física, em minha vida e na dos meus familiares, e, mesmo após a sua partida, já em nossos corações, só nos trouxe alegria e amor”, relatou.

O goleiro ainda disse que não deseja, para nenhuma das pessoas que proferiram tais palavras contra ele, esse sentimento. “Mesmo escrevendo em lágrimas esta mensagem, com uma dor e um sofrimento que rasga o coração, não desejo a nenhum de vocês que proferiram essas palavras duras nem sequer 1% (um por cento) do que passei e venho passando desde o dia que meu filho se acidentou e faleceu”, explicou.

Por fim, Elisson afirmou que vai procurar identificar e tomar medidas judiciais contra os agressores.

Posicionamento

Tentamos contato com Elisson, mas ele preferiu não conversar devido ao abalo.

A reportagem entrou em contato com Bruno Almeida Sarti, presidente do Villa Nova. Ele se mostrou surpreso com o ocorrido, mas disse que iria entrar em contato com Elisson para pedir desculpas e que iria apurar o fato para tomar as medidas cabíveis.

Wagner Augusto, presidente do Conselho Deliberativo do clube, lamentou. “Em meu nome e em nome do Conselho Deliberativo do Villa Nova AC peço desculpas pelo lamentável acontecimento. Tive o prazer de trabalhar com você no Villa em 2012 e fui testemunha do seu profissionalismo e caráter. A perda de um filho jamais deveria ser assunto de arquibancada, na boca de pseudo-torcedores. Triste e deprimente. Que Deus tenha piedade desses infelizes. Eles não representam o Villa Nova AC”, direcionou o conselheiro à vítima.

O jogo

A partida, válida pela 8ª rodada do Módulo II do Campeonato Mineiro terminou em 3 a 0 para o Villa Nova. Time da casa manteve a liderança, com 17 pontos, enquanto o clube do Vale do Aço ficou em 9º, com oito pontos.

Fonte: O Tempo

Publicações relacionadas

X