Minas tem queda de óbitos por Covid entre idosos e alta na faixa de 20 a 59 anos

 Minas tem queda de óbitos por Covid entre idosos e alta na faixa de 20 a 59 anos

Vacinados contra a Covid-19 no Brasil chegam a 26,1 milhões Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Mesmo sendo o mês mais mortal da pandemia de Covid-19 em Minas Gerais até agora, abril registra queda significativa no número de mortes de idosos com mais de 90 anos. Os dados são do portal da Transparência do Registro Civil e foram comparados aos números de março.
Entre 1° e 21 de abril, ou seja, a menos de dez dias do final do mês, 164 pessoas com idade entre 90 e 99 anos morreram no Estado com suspeita ou confirmação de Covid-19. Isso corresponde a menos de ⅓ do registrado em todos o mês de março, quando 434 idosos nessa mesma faixa etária morreram vítima da doença.
Essa queda se dá em um cenário de crescimento do número total de mortes pela doença em todo o Estado. No mês de março, segundo dados do boletim epidemiológico divulgado diariamente pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais, o total de mortes confirmadas por Covid-19 foi de 6.130, enquanto neste mês de abril o número já chega a 5.780 até esta quarta-feira (21).
Esse número difere um pouco do levantamento dos cartórios, que contabiliza também as mortes suspeitas e ainda não confirmadas e que, por isso, apontam para um número ainda maior de mortes no Estado. De acordo com os registros da Transparência do Registro Civil, foram 8.345 mortes por Covid-19 ou suspeita em março e 5.389 em abril.
O vice-presidente da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), Luis Carlos Vendramin Júnior, faz outra análise dos dados sobre registro de mortes por Covid-19, que também apontam para queda entre os mais idosos. Ele compara a média de mortes por faixa etária em abril, com a média anual entre março de 2020 e março de 2021.
“Nós calculamos a proporcionalidade, ou seja, mês a mês você tinha uma proporcionalidade de número de mortes por faixa etária. E essa proporcionalidade durante toda a pandemia se manteve muito igual, não teve muita alteração. E agora, nós notamos que, a partir de abril, houve várias mudanças significativas nas proporcionalidades das faixas etárias de mortes. Duas coisas muito impactantes: uma é a redução significativa de número de mortes de pessoas maiores de 80 anos, a estagnação no caso de pessoas com mais de 70 anos, e ao mesmo tempo, um aumento significativo nas faixas anteriores à 70”, disse.
No caso de Minas, essa análise de proporcionalidade revela que em abril, houve queda de 42% na proporção do número de mortes por Covid-19 entre idosos de 80 a 89 anos e de 63% entre 90 e 99 anos. Vendramin Júnior cita como possíveis causas dessa mudança de perfil a vacinação dos idosos. Mas, também coloca entre as possibilidades para a redução do número de mortes entre idosos com mais de 80 anos, as medidas de isolamento social adotadas no Estado desde o mês passado, inclusive com a criação da Onda Roxa.
Já o infectologista e membro do comitê de combate à Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte, Carlos Starling, ainda não é possível afirmar que essa queda de mortes entre os mais idosos é reflexo da vacinação, mas que esse é o cenário que se espera “É possível que já tenha alguma influência das vacinas, mas isso ainda tem que ser melhor estudado do ponto de vista epidemiológico para se ter certeza que o motivo de fato é a vacinação”, disse. E completou: “Se for devido à vacina é o que a gente espera e foi o que nós vimos acontecer em outros países e que tiveram a vacinação mais avançada do que a gente”, revelou.
Nesta semana, Belo Horizonte e boa parte dos municípios mineiros iniciaram a vacinação de idosos próximos da faixa etária de 60 anos, enquanto mais de 50% daqueles com mais de 80 já receberam inclusive a segunda dose. O início da vacinação no Estado foi em 18 de janeiro, enquanto a aplicação da segunda dose teve início em fevereiro. Os primeiros vacinados foram profissionais de saúde, idosos que vivem em instituições de longa permanência, pessoas com deficiência também em instituições e povos indígenas aldeados. Posteriormente, a vacinação foi expandida para os idosos, aumentando o público-alvo conforme a chegada de novas remessas de vacina ao Estado.
Mortes aumentam entre jovens 
No sentido oposto, os dados apontam para um aumento do número de pessoas mais jovens morrendo em decorrência da Covid-19 em Minas Gerais. Na faixa etária entre 20 e 29 anos, o número de mortos em abril foi de 70 até agora e já é maior que o registrado em todo o mês de março (67).
Também entre 30 e 39 anos e entre 40 e 49 anos, os números registrados em abril também são maiores se comparados proporcionalmente ao mês de março. No mês passado, Minas registrou segundo os cartórios 282 e 624 mortos, respectivamente. Já entre 1° e 21 de abril, o número de óbitos por Covid ou suspeita nessas faixas etárias é de 225 e 442.
Na análise da Arpen Brasil, a proporção de óbitos entre 20 e 29 anos – em relação ao total de mortos por Covid-19 – subiu 68%, seguido por um aumento de 62% entre 30 e 39 anos, 49% entre 40 e 49 anos e 35% entre 50 e 59 anos. Tudo isso em comparação à proporção média que cada faixa etária representou no total de óbitos por Covid-19 no primeiro ano da pandemia em Minas.
“Nós estamos observando um aumento progressivo do número de internações de jovens e da mortalidade também. Isso provavelmente é o resultado do predomínio da cepa P1, que é uma cepa mais transmissível. E como os jovens se expõem mais, eles vão se infectar mais e não tendo sido imunizados, acabam evoluindo para formas graves”, explica o infectologista Carlos Starling.
Variação de óbitos por Covid-19 por faixa etária em abril em relação à média de março de 2020 a março de 2021 em Minas
20 a 29: +68%
30 a 39: + 62%
40 a 49: +49%
50 a 59: +35%
60 a 69: + 27%
70 a 79: +6%
80 a 89: -42%
90 a 9: -63%
Fonte: Levantamento feito pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) com base em dados do portal da Transparência do Registro Civil
Fonte: O Tempo

Publicações relacionadas

X