Bolsonaristas organizam caravanas e vendem pacotes para atos de 7 de setembro

 Bolsonaristas organizam caravanas e vendem pacotes para atos de 7 de setembro

(Hugo Barreto/Metrópoles)

Bolsonaristas tentam mobilizar apoiadores para atos na Esplanada e na Av. Paulista. Grupos oferecem pagamento via Pix ou parcelado no cartão

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já organizam caravanas para os atos antidemocráticos programados para o dia 7 de setembro.

Grupos de Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo, por exemplo, já se mobilizam para as viagens com destino a Brasília (Esplanada dos Ministérios) e à capital paulista (Avenida Paulista). O mandatário do país já sinalizou interesse em marcar presença nos dois locais.

Nas redes sociais, já existe intensa movimentação de apoiadores de Bolsonaro para divulgar as caravanas. Os anúncios são compartilhados em grupos de Whatsapp formados por defensores do presidente, assim como em comunidades do Facebook, com o mesmo propósito. Lideranças políticas locais, em municípios pelo Brasil, também participam da organização das caravanas.

 

Veja alguns anúncios nas redes sociais:

(Reprodução)
Em Goiás, pelos grupos de WhatsApp e redes sociais, como Facebook, já proliferam anúncios de ônibus que farão o transporte para Brasília, com preços e pacotes que chegam a até R$ 150 por pessoa.

O foco dos organizadores é mobilizar o maior número possível de apoiadores para mostrar força naquele que vem sendo tratado, inclusive pela Procuradoria-Geral da República (PGR), como um protesto suspeito, em razão das pautas que atentam contra a democracia, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Entre os goianos, que deram 65,52% dos votos válidos para Bolsonaro, em 2018, as discussões em grupos bolsonaristas no Whatasapp já indicam ao menos 10 ônibus, saindo de Goiânia e Anápolis. Mas já começaram a surgir outras frentes de organização no interior do estado.

Em Inhumas, por exemplo, cidade da região metropolitana de Goiânia, o pacote oferecido em anúncio, divulgado por apoiadores locais de Bolsonaro, custa R$ 150 e inclui – além das passagens de ida e volta em um ônibus fretado com 60 lugares – camiseta personalizada, lanche, água, refrigerante e uma tenda de apoio na Esplanada dos Ministérios.

A mobilização aumentou nesta semana, com a aproximação do mês de setembro e com o acirramento dos ânimos entre o Executivo e o Judiciário – Bolsonaro assinou e protocolou pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes.

Caravanas devem sair de várias partes do Brasil para participar de ato em Brasília no dia 7 de setembro
(Hugo Barreto/Metrópoles)

Via PIX ou parcelado

Nos grupos bolsonaristas de Minas Gerais, a reportagem do Metrópoles identificou a caravana batizada como “Supremo é o Povo”, tendo pontos de partida nas cidades de Cataguases, Astolfo Dutra, Rodeiro e Ubá. O destino final é a Avenida Paulista, em São Paulo.

A viagem custa R$ 250 por pessoa, com a opção de parcelar o valor em até 10 vezes no cartão, com direito a uma camiseta customizada. E, mesmo sem a confirmação oficial do Planalto, a propaganda dos mineiros já garante a presença de Bolsonaro na Paulista.

Outra caravana, anunciada por apoiadores do presidente em Patos de Minas (MG), com destino a Brasília, cobra R$ 50 por pessoa, com possibilidade de pagamento via PIX. Já outro grupo saindo de Uberlândia (MG), também no triângulo mineiro, cobra R$ 125 por pessoa.

No Espírito Santo, a mobilização também já é constatada, com um primeiro ônibus lotado e abertura de vagas para um segundo veículo. O roteiro, neste caso, prevê saída de Vitória (ES) rumo à Avenida Paulista pelo valor de R$ 250, por pessoa.

Nas mobilizações em redes sociais, a reportagem do Metrópoles encontrou ainda anúncios de caravanas em Ponta Grossa (ES) e cidades do sul do Espírito Santo, além de Volta Redonda e Maricá, no Rio de Janeiro. Todas com destino à Paulista.

 

Foco em Brasília e na Paulista

Nos grupos de WhatsApp da direita, em Goiás, uma orientação vem sendo repetida a todo momento: a intenção é lotar a Esplanada, em Brasília, e a Avenida Paulista, em São Paulo, no dia 7 de setembro.

Pela proximidade, os grupos goianos devem ir todos para Brasília. “Temos que travar Brasília. Foco em Bsb”, escreveu uma militante em um grupo bolsonarista de Goiás. Outra complementou embaixo: “Goiânia teria que ter o maior número de gente lá, porque é muito perto”.

Caravanas de Goiânia

Na segunda-feira (23/8), começaram a surgir os anúncios das caravanas saindo de Goiânia. Os ônibus deixarão o estacionamento do estádio Serra Dourada, às 5h do dia 7/9, e voltarão às 18h. O valor cobrado por pessoa é de R$ 40, e cada um deve informar o nome, o número de RG e o telefone.

A organização, na capital, é feita por integrantes do mesmo grupo que liderou o protesto a favor do voto impresso, no dia 1º/8. “Queremos levar 10 ônibus”, afirmou um dos organizadores, em conversa com as pessoas que se mostravam interessadas no WhatsApp.

A princípio, seriam três ônibus saindo de Goiânia e três de Anápolis. Mas, na manhã desta terça-feira, já se falava em cinco veículos em cada cidade, devido ao aumento da procura.

Bolsonaro ganhou nas duas cidades, em 2018, com ampla diferença em relação ao candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), Fernando Haddad. Em Goiânia, o chefe do Executivo obteve 74,2% dos votos válidos e, em Anápolis, ficou próximo dos 80% (79,71%).

 Fonte: Metrópoles

Publicações relacionadas

X