Bolsonaro recusou vacina da Pfizer em 2020 por metade do preço

 Bolsonaro recusou vacina da Pfizer em 2020 por metade do preço

Mais uma informação apurada pela Comissão parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID  –  que esta semana deverá ouvir pela segunda vez o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga – tem o efeito de cair como uma bomba sobre o Palácio do Planalto.

Folha de S. Paulo publicou reportagem nesta segunda-feira (07/06), com base em e-mails trocados entre representantes da gigante da indústria farmacêutica, a Pfizer, e o governo Bolsonaro, que atestam que o mandatário recusou vacinas no ano passado pela metade do preço pago por Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia.

Em depoimento à CPI, o general e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello reiterou que considerou caras, em agosto de 2020, a proposta de entrega a partir de dezembro do ano passado de até 70 milhões de doses da Pfizer, a US$ 10 cada.

53 e-mails

Documentos divulgados pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da COVID, mostram que a gestão Jair Bolsonaro deixou de responder 53 e-mails da farmacêutica Pfizer enviados para pedir um posicionamento sobre a compra de vacinas.

TCU

Eduardo Pazuello chegou alegar que o governo não aceitou a oferta em função do Tribunal de Conta da União (TCU), que, por meio de nota, desmentiu o ex-ministro.

A primeira ida de Pazuello à CPI foi marcada por tantos relatos contraditórios, que ele foi convocado para um segundo depoimento.

Ainda, assim, após o segundo depoimento de Pazuello, o presidente da CPI, senador Omar Aziz  (PSD) declarou considerar a realização de uma acareação  entre o ex-chefe da Secretaria de Comunicação (Secom) do governo federal Fabio Wajngarten, o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e um representante da Pfizer.

Fonte: Estado de Minas

Publicações relacionadas

X