Promotor André de Pinho será denunciado pelo feminicídio da mulher Lorenza

 Promotor André de Pinho será denunciado pelo feminicídio da mulher Lorenza

Lorenza morreu em 2 de abril e suspeita é de feminicídio Foto: Facebook/Reprodução

O promotor André Luís Garcia de Pinho, de 51 anos, preso desde o último dia 4 sob suspeita de ter assassinado a mulher, Lorenza Maria Silva de Pinho, de 41, deve ter a pena preventiva transformada, nesta quinta-feira (29), em temporária. Conforme fontes ligadas às investigações, o laudo do Instituto Médico-Legal (IML) mostrou que a vítima tinha lesões graves na parte interna do corpo. A evidência aponta, segundo a fonte, para feminicídio. O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) deve falar do caso no fim desta quinta-feira, e há a hipótese de que o promotor seja denunciado por feminicídio.
Ela morreu no dia 2 de abril, no apartamento que vivia com a família, na região Oeste de Belo Horizonte. A prisão preventiva vale por 30 dias, já a detenção temporária pode se estender por mais tempo, desde que o pedido seja renovado a cada 90 dias.
Pinho foi interrogado, pela segunda vez, na última terça-feira (27), na Procuradoria Geral de Justiça de Minas. Ele chegou ao prédio do Ministério Público, no bairro de Lourdes, na região Centro-Sul da capital, em um veículo descaracterizado. O segundo depoimento dele sobre a morte da mulher durou cerca de 3h30. Ao fim do interrogatório, apenas os dois advogados do promotor, Robson Lucas e Epaminondas Fulgêncio, falaram com a imprensa.
Segundo Lucas, o promotor respondeu a todos os questionamentos feitos pela promotoria que acompanha o caso. “André estava muito calmo e respondeu tudo que foi perguntado”, comentou.
Laudo do IML
Apesar do laudo da necropsia feita no corpo de Lorenza ainda não ter sido oficialmente divulgado, Robson Lucas disse ter tido acesso antecipado ao documento, e que ele atesta que a mulher do promotor não foi assassinada. O advogado não menciona as lesões internas, reveladas pela fonte de O TEMPO.
“O laudo me foi entregue porque como advogado de defesa tenho acesso a partes do processo. Ele revelou que a Lorenza morreu vítima de intoxicação pela combinação de álcool e diferentes tipos de medicamentos antidepressivos. No documento, não consta nada sobre esganadura como chegou a ser dito na mídia dias atrás”, afirmou o advogado do promotor.
Ainda conforme Lucas, um perito foi contratado pela defesa do promotor para esmiuçar o resultado do laudo. “Optei em contratar um perito para explicar o laudo, para que nada seja deixado de lado, nem possa ser rebatido”, esclareceu.

Publicações relacionadas

X