Áudio confirma que trem de pouso de avião que se acidentou não foi acionado

 Áudio confirma que trem de pouso de avião que se acidentou não foi acionado

Piloto de avião que se acidentou tinha intenção de fazer quatro toques e arremetidas no Aeroporto da Pampulha (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Um áudio entre a torre de controle do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, e o piloto do avião que se acidentou na tarde desta terça-feira (20/04) no terminal, confirma que a aeronave não estava com o trem de pouso acionado no momento do toque na pista.

A conversa foi divulgada pelo site “Radar Aéreo” e confirmada pelo Estado de Minas. No momento do resgate, o Corpo de Bombeiros já havia adiantado que o equipamento não estava baixado.

O áudio, que possui duração de seis minutos, mostra a conversa entre o piloto do Learjet 35A e a torre de controle do Aeroporto da Pampulha.

No diálogo, o comandante diz ter a intenção de fazer quatro procedimentos de toque e arremetida na pista do terminal, atividade chamada na aviação como TGL.

O avião fez dois toques e arremetidas na pista. O primeiro foi às 13h34, enquanto o segundo aconteceu cinco minutos depois, às 13h39.

 

Imagem da aeronave após o acidente
(foto: Reprodução/WhatsApp)

Quando o terceiro procedimento iria acontecer, o avião acabou tocando a pista sem o trem de pouso acionado e invadiu os limites do aeroporto, parando no gramado, onde colidiu com uma árvore.

Nesse momento, o piloto de um helicóptero da Polícia Militar viu que o avião varou a pista e ofereceu auxílio no socorro à torre de controle. “O Pégasus viu a aeronave passando. Precisa de algum apoio do Pégasus?”, pergunta o piloto.

Imagem da aeronave após o acidente
(foto: Reprodução/WhatsApp)

O controlador, então, disse que o avião, de prefixo PR-MLA, tocou a pista sem o trem de pouso acionado e atravessou a cabeceira. “Afirmo, senhor. A aeronave estava em toque e arremetida, pousou sem trem, prosseguiu direto e atravessou a cabeceira”, afirmou.

Em seguida, o controlador disse que não seria necessário o apoio do helicóptero da PM e que os bombeiros já tinham sido acionados para o resgate.

Morte na pista

Três pessoas estavam no avião. Todos são pilotos. São eles: Eustáquio Avelar, de 76 anos, Gabriel dos Santos Nazaret, de aproximadamente 28 e Osmar Mulina Pereira Filho, de 31.

Na cabine, estava Gabriel como piloto e Eustáquio como co-piloto.

Gabriel teve ferimentos graves e foi levado no helicóptero Arcanjo, do Corpo de Bombeiros, para o Hospital João XXIII. Já Eustáquio Avelar morreu no local. Osmar Filho teve apenas ferimentos leves.

Uma investigação será aberta pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão ligado à Aeronáutica, para apurar as causas do acidente.

O modelo 35A possui caixa-preta, o que pode ajudar nos trabalhos.

Publicações relacionadas

X