Tá procurando o quê?
Onde?

Shopping Oiapoque é fechado por descumprir regras de decreto de Kalil

 Shopping Oiapoque é fechado por descumprir regras de decreto de Kalil

O shopping popular Oiapoque, localizado no centro da capital mineira, foi fechado, na tarde desta quinta-feira (18), após fiscalização da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

O estabelecimento estava descumprindo o decreto do prefeito Alexandre Kalil (PSD), que proíbe a comercialização de produtos não essenciais em Belo Horizonte. A medida entrou em vigor no sábado (13) e é uma tentativa de conter o avanço do novo coronavírus na capital mineira.

Como o shopping estava funcionando?
O fiscal de controle urbanístico e ambiental da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas, Wilber Henrique Rosa, informou à reportagem que o shopping não estava cumprindo o modelo de venda drive-thru. Na prática, conforme Rosa, dentro do centro comercial, as pessoas poderiam ter acesso à agência bancária, óticas, e lotéricas – itens considerados essenciais.
Rosa explicou que estavam sendo comercializados itens como roupas e eletroeletrônicos. “A pessoa chegava do drive-thru, informava o que gostaria de comprar e subia uma escada. De lá, a loja era acionada e um representante buscava o cliente”, detalhou. Dessa maneira, as pessoas estavam tendo acesso à parte interna do centro. Aglomerações também foram denunciadas.
Sem leitos
Conforme O TEMPO mostrou nessa quarta-feira (18), os hospitais particulares de Belo Horizonte, ultrapassaram 100% de taxa de ocupação em leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados a pacientes com Covid-19.
​Com isso, a rede suplementar entrou em colapso, conforme dados da Secretaria Municipal de Saúde. Segundo a prefeitura, dos 353 leitos, 102,8% estavam sendo utilizados nessa quarta momento. É o maior nível desde o início da pandemia de coronavírus.
Boom de casos
Em 24 horas, Minas Gerais teve a confirmação de 274 óbitos em decorrência do novo coronavírus. No total, 21.303 mineiros já morreram e mais de um milhão foram infectados pela enfermidade. Na capital mineira já são 2.952 óbitos e 122.709 doentes.
Relembre o que pode funcionar em BH:
– Padaria
– Comércio varejista de laticínios e frios
– Açougue e Peixaria
– Hortifrutigranjeiros
– Minimercados, mercearias e armazéns
– Supermercados e hipermercados
– Artigos farmacêuticos (sem restrição de horário)
– Artigos farmacêuticos, com manipulação de fórmula (sem restrição de horário)
– Comércio varejista de artigos de óptica
– Artigos médicos e ortopédicos
– Combustíveis para veículos automotores
– Lojas de coveniência de postos de combustíveis
– Peças e acessórios para veículos automotores
– Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo – GLP
– Agências bancárias: instituições de crédito, seguro, capitalização, comércio e administração de – Valores imobiliários
– Casas lotéricas
– Agência de correio e telégrafo
– Comércio de medicamentos para animais
– Igrejas e templos religiosos podem abrir, mas sem cultos e missas
– Atividades de serviços e serviços de uso coletivo, exceto os especificados no art. 2º do Decreto nº 17.328, de 8 de abril de 2020
– Atividades industriais
– Restaurantes e outros serviços de alimentação, em sistema de delivery
– Banca de jornais e revistas
– Restaurantes, lanchonetes, bares e estabelecimentos congêneres no interior de hotéis, pousadas e similares, para atendimento exclusivo aos hóspedes
– Atividades acima, em funcionamento no interior de shopping centers, galerias de loja e centros de comércio 
Matéria originalmente publicada: O tempo

Publicações relacionadas