Tá procurando o quê?
Onde?

Rio Doce atinge cota de alerta e se aproxima de casas em Governador Valadares

 Rio Doce atinge cota de alerta e se aproxima de casas em Governador Valadares

Nível do rio Doce saiu do leito e se aproxima de casas no bairro São Tarcísio — Foto: Jhonnathas Trindade/Inter TV dos Vales

O nível do rio Doce atingiu a cota de alerta ao ultrapassar os 2 metros de altura na manhã desta segunda-feira (22) em Governador Valadares (MG). Às 7h, a régua do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) marcava 2,07 metros, mas apresentou queda de dois centímetros às 9h.

Na rua Cláudio Manoel, no bairro São Tarcísio, o nível do rio amanheceu um pouco acima do leito, se aproximando das casas. Moradores acompanham a situação.

Serviço Geológico do Brasil monitora o nível da Bacia do Rio Doce — Foto: CPRM/Reprodução

O monitoramento do Serviço Geológico do Brasil – CPRM aponta a Bacia do Rio Doce dentro da cota de inundação na cidade de Linhares, no estado do Espírito Santo. Já em Governador Valadares, o volume do rio se encontra em cota de alerta, enquanto em Tumiritinga aparece em cota de atenção.

No ano passado, a Prefeitura de Valadares elaborou material gráfico comparando a medição do nível do rio Doce pela régua do CPRM e pela régua do SAAE. Esta última é a mais acompanhada pelos moradores da região.

Para evitar que a diferença na medição entre os dois órgãos confunda a população, confira a arte elaborada pela Prefeitura:

Arte compara a medição do volume do Rio Doce nas réguas do SAAE (local) e da CPRM (nacional) — Foto: Prefeitura Governador Valadares/Divulgação

Enchente em 2020

No fim de janeiro de 2020, Governador Valadares enfrentou uma enchente que deixou mais de 15 mil pessoas desalojadas, levando o município a decretar estado de calamidade pública.

À época, moradores levantaram a hipótese de assoreamento do rio Doce após a contaminação por rejeitos de minério oriundos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, novembro de 2015.

A dúvida foi levantada fazendo relação com enchentes anteriores na cidade, comparando o nível que o rio Doce atingiu com os locais onde foram registrados alagamentos. Segundo reclamações dos moradores, com um nível de inundação menor em 2020 que em 2012, a água teria atingido mais locais.

Outro fato questionado pela população foi a lama deixada após a enchente, que se tornou mais espessa que em inundações anteriores na cidade. Após a água baixar, a poeira provocou transtornos para os moradores dos bairros atingidos.

Fonte: G1

Publicações relacionadas