Tá procurando o quê?
Onde?

Instituto Usiminas investe em ações de acessibilidade

 Instituto Usiminas investe em ações de acessibilidade

O Instituto Usiminas celebra o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, anualmente comemorado no dia 21 de setembro, promovendo iniciativas que tornam as suas atrações culturais cada vez mais acessíveis. A novidade deste ano é a chegada do equipamento de Audiodescrição, que permitirá o acesso de mais pessoas com deficiência visual em espetáculos e outras atrações culturais, quando o Centro Cultural Usiminas for reaberto.

O equipamento de tradução simultânea é um recurso intersemiótico que torna as imagens acessíveis em palavras e foi adquirido com recursos do projeto do Instituto Usiminas, aprovado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura e patrocinado pela Usiminas. Em uma cabine, 12 pessoas com deficiência visual poderão ter acesso à uma minuciosa audiodescrição com o apoio de um intérprete.

Conforme o Censo Demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 45,6 milhões de pessoas declararam ter pelo menos um tipo de deficiência, seja dos tipos visual, auditiva, motora ou mental/intelectual. Desse total, 20% possuem deficiência visual. Em Ipatinga, uma pesquisa realizada pela Associação dos Deficientes Visuais de Ipatinga (Adevipa), em 2017, apontou que o município possui 560 pessoas com deficiência visual e  32 mil pessoas com baixa visão.

Diante do contexto, para o presidente do Conselho Fiscal da Adevipa, Geraldo Silverio Bastos, de 76 anos, cego há 16 anos, o equipamento de audiodescrição é mais um incentivo para as pessoas com deficiência visual. “Eu escrevo em braile, mas não leio. Então, a audiodescrição é o meio que mais utilizo para ter acesso à informação. Na Associação, temos jovens na faculdade, que terão mais oportunidades de conhecimento com essa iniciativa do Instituto Usiminas”, enfatiza.

Humanização

A massoterapeuta Alice Peri Maura, de 21 anos, que possui deficiência visual, aguarda ansiosa pela volta as atrações presenciais no Instituto Usiminas. Moradora de Timóteo, Alice é sempre presença confirmada nas ações mediadas por audiodescrição pela equipe da Ação Educativa. Ela participou da contação de histórias “Sons coloridos com amor”, da exposição sensorial “Parque de Bambu” e da exposição “Música Brasilis”, realizadas em 2019.

“Eu gosto muito de teatro e de contação de histórias. Eu adorei aquela que toquei nas minhocas [referindo-se ao Parque de Bambu]. Mas eu consigo participar de alguma atividade de entretenimento somente quando tenho alguém para me acompanhar e descrever o que está vendo”, conta Alice. “Estamos sempre em busca de atrações adaptadas. Então, iniciativas como a Instituto Usiminas, que proporcionem

independência para entretenimento, é muito bem-vinda”, completa Sandra Peri, que é avó da Alice e coordenadora da Associação das Pessoas com Deficiência de Timóteo e Amigos (Adevita).

Segundo a diretora do Instituto Usiminas, Penélope Portugal, a acessibilidade é uma prioridade para a instituição. “Nossas atrações presenciais e virtuais estão sempre abertas às pessoas com deficiência. Mais do que investir em recursos que permitam inclusão e acessibilidade, no Instituto Usiminas buscamos a humanização das nossas ações para que aos poucos, possamos estabelecer uma relação de confiança com nosso público”, declara.

Tradução em Libras

Realizadas desde 2018, as iniciativas com a presença de intérpretes de Libras no Instituto Usiminas foram conquistando o público do Vale do Aço e de municípios vizinhos, como Caratinga, Belo Oriente e Governador Valadares. Por meio do agendamento escolar da Ação Educativa, o Instituto Usiminas já recebeu pessoas com deficiência de mais de 54 escolas em atrações realizadas no Centro Cultural Usiminas.

Durante as determinações de isolamento social, as atividades continuam a ser realizadas com transmissão pelas redes sociais do Instituto Usiminas (@institutousiminas), e contam com a tradução em Libras.

Espetáculos como “Portinari Pé de Mulato”, da Cia. Articularte, “Visitas Teatralizadas”, a exposição “Portinari – Releitura do painel “Civilização Mineira, por Ronaldo Fraga”, palestra do Programa de Formação da Ação Educativa, com o antropólogo Tião Rocha, além das edições de 2018 e 2019 do Salão do Livro Vale do Aço são algumas atrações que contaram com intérprete de Libras e ajudaram a consolidar as ações de acessibilidade no Instituto Usiminas.

Outra iniciativa que impulsionou esse reconhecimento foi a parceria com o Instituto Visual Libras para promover o curso de Tradução de Libras no Centro Cultural Usiminas, aos sábados. Com as determinações de isolamento social, o curso está suspenso aguardando o retorno da reabertura dos espaços.

Equipamento Audiodescrição

Alice visita o Parque de Bambu

 

Publicações relacionadas